segunda-feira, 22 de maio de 2017

Revista Geração Bookaholic #8 já está disponível

Gosta de literatura e sente falta de um lugar que reúna resenhas, reportagens, entrevistas e muitos mais sobre o assunto?

Então você precisa conhecer a revista online Geração Bookaholic.

Capitaneada pela escritora Débora Falcão e contando com a ajuda de vários colaboradores como este que vos escreve, a revista é online, totalmente gratuita e tem periodicidade trimestral.

Na foto, a capa da edição 8 que destaca a presença feminina na literatura e o livro "O livro delas" escrito em conjunto por várias autoras nacionais.


A revista  também tem entrevistas com autores, resenhas, notícias sobre lançamentos e muito mais.

Chamo a atenção para a minha participação na seção "loucos por quotes" onde um autor cita trechos de suas obras favoritas. Na edição 8, temos a participação da Judie Castilho, autora de "O beijo da morte"

Na seção "capítulo bônus" falamos de livros mais antigos, e que não fizeram o sucesso que mereciam. Nesta edição trouxe o escritor galês Ken Follet com seu primeiro Thriller "O buraco da agulha"

Para acessar a revista, basta clicar no link: Revista Geração Bookaholic

Até mais e tenham uma boa leitura!

Dan Folter (Daniel Martins)

terça-feira, 16 de maio de 2017

Resenha - As espiãs do dia D - Ken Follett

Olá meus caros.
Hoje é dia de resenha no canal e o livro escolhido foi "As espiãs do dia D" de um dos meus autores favoritos, o galês Ken Follett

CAPA: 

Uma capa bonita, com degradê em azul e um clima esfumaçado, perfeito para o tema de espionagem da obra.
Reparem como o nome do autor é maior que o do título do livro, uma demonstração do calibre do escritor.

SINOPSESegunda Guerra Mundial. Na fúria expansionista do Terceiro Reich, a França é tomada pelas tropas de Hitler. Os alemães ignoram quando e onde, mas estão cientes de que as forças aliadas planejam libertar a Europa. Para a oficial inglesa Felicity Clairet, nunca houve tanto em jogo. Ela sabe que a capacidade de Hitler repelir um ataque depende de suas linhas de comunicação. Assim, a dias da invasão pelos Aliados, não há meta mais importante que inutilizar a maior central telefônica da Europa, alojada num palácio na cidade de Sainte-Cécile. Porém, além de altamente vigiado, esse ponto estratégico é à prova de bombardeios. Quando Felicity e o marido, um dos líderes da Resistência francesa, tentam um ataque direto, Michel é baleado e seu grupo, dizimado.

Abalada pelas baixas sofridas e com sua credibilidade posta em questão por seus superiores, a oficial recebe uma última chance. Ela tem nove dias para formar uma equipe de mulheres e entrar no palácio sob o disfarce de faxineiras. Arriscando a vida para salvar milhões de pessoas, a equipe Jackdaws tentará explodir a fortaleza e aniquilar qualquer chance de comunicação alemã – mesmo sabendo que o inimigo pode estar à sua espera. As espiãs do Dia D é um thriller de ritmo cinematográfico inspirado na vida real. Lançado originalmente como Jackdaws, traz os personagens marcantes e a narrativa detalhada de Ken Follett. 

DADOS TÉCNICOS: 2015, 448 páginas, Editora Arqueiro, Ken Follett

SINOPSE: A junção de Ken Follett, renomado autor galês com o tema espionagem é garantia de um bom livro certo? 

Certo!

As espiãs do dia D, uma tradução não muito feliz para o original "The Jackdaws" traz o esperado para os fãs do autor e do gênero. Um livro com muito suspense e ação, do início ao fim.

PONTOS DE VISTA ALTERNADOS: Acompanhamos o andamento da trama pela perspectiva dos dois personagens principais, a oficial inglesa Flick e o oficial alemão Dieter. Ela tentando explodir uma central telefônica vital para os nazistas na França e ele fazendo de tudo para proteger a central, além de tentar pegar Flick e os outros espiões.
O autor sabe interromper e alternar de forma a deixar curioso, mas sem perder o leitor. 

VILÃO: Quem já leu outras obras de Follett sabe do talento do autor para desenvolver vilões envolventes, cheios de sentimentos, do tipo que quase torcemos por eles.
Não é diferente com Dieter. O homem que sente enxaquecas quando precisa torturar alguém, algo que abomina, é o melhor torturador entre seus pares e consegue as informações de formas bastante inusitadas.
Também acompanhamos suas paixões, relacionamento familiar e com outros membros do regime nazista. Um personagem memorável.

MEIO HOLLYWOOD: Ao ler a obra, muitas vezes parece que estamos vendo um filme. Algumas das soluções acontecem de forma um pouquinho forçosa, sempre por um triz, o que deixa tudo muito emocionante, mas tira um pouco da verossimilhança.

RELACIONAMENTOS DEMAIS: As espiãs do dia D é uma obra sobre guerra e espionagem. Ou, pelos menos deveria ser. Pode ter sido por influência de terceiros ou decisão do próprio autor, mas a história é preenchida de relacionamentos bastante desnecessários para a obra, alguns parecem pura forçação de barra para agradar à públicos mais específicos.
Essa "enrolação" acabou cobrando o seu preço no final da obra onde tudo se resolve um pouco às pressas.

CUMPRE O QUE PROMETE: Você não irá se decepcionar ao final dessa obra. Pelo contrário, ficará com aquela gostosa sensação de ter aproveitado bem o tempo passado com ela.
O que pesa contra é que, comparado com outras obras primas do mesmo autor, esse aqui fica um pouquinho abaixo, merecendo "apenas" 4 estrelas no Skoob.

E você leitor, já leu esta obra? O que achou?
E outros livros do mesmo autor?

Deixe seus comentários abaixo e vamos discutir literatura

Abraços

Dan Folter

domingo, 14 de maio de 2017

Palavras Perdidas é o novo parceiro do Desinformadoss

Nós avisamos que 2017 vinha com tudo, não é mesmo?
Então chega a hora de apresentar mais um blog parceiro. Dessa vez é o blog Palavras Perdidas.


E para começar essa parceria, nada melhor que uma resenha de O mistério de Boa Esperança, não é mesmo?

Resenha de O mistério de Boa Esperança

Eles disseram:

"O quão envolvido esse grupo está? Já que estão na cidade apenas por lazer, porque tudo isso está acontecendo? Serão os vampiros os culpados? Então porque a menina encontrada não se lembra de absolutamente nada que lhe aconteceu? Mistérios demais para uma cidade tão pequena quanto Boa Esperança."

Acompanhe a nossa barra lateral para mais novidades do Palavras Perdidas.

Grande Abraço

Dan Folter! 

terça-feira, 9 de maio de 2017

O clube da meia noite resenha O mistério de Boa Esperança

E saiu mais uma resenha de O mistério de Boa Esperança.

O blog da vez é : O clube da meia noite



Eles disseram:

"o autor ele divide a narração por personagens isso eu achei o máximo, você se sente praticamente dentro do livro participando das aventuras de cada um do grupo"

"O Mistério de Boa Esperança é um livro que eu gostei bastante, não é uma historia arrastada de vai e vem, ela flui tranquilamente é cheia de segredos, aventura, suspense"

Quer ler a resenha completa?

Então confira lá o blog: Resenha O Mistério de Boa Esperança

E se quiser comprar o livro, ainda temos alguns para enviar autografado. Entre em contato:

danielregis@hotmail.com

Abraço a todos

Dan Folter!

quinta-feira, 4 de maio de 2017

Resenha - A Fundação de Isaac Asimov

Olá leitores, como vocês estão?

Hoje é dia de resenha de clássico. Um livro conhecido como um dos pilares da ficção científica moderna. Bora conferir o que achamos dele?

Capa: 

A editora Aleph acabou criando uma série de capas parecidas para os livros relativos à Fundação (não são poucos). Funciona no sentido mercadológico, já que são fáceis de identificar, embora em termos estéticos deixem um pouco a desejar.

Sinopse: O Império Galático possui 12 mil anos. E possui pujança, grandeza e estabilidade. Ao menos em sua fachada. Mas ele está em pleno declínio, lento e gradual. E, no final, culminará com uma regressão violenta da sociedade e a conseqüente destruição do conhecimento. Preocupados com isso, um grupo de cientistas traça um plano pela preservação do conhecimento adquirido. Vencedor do prêmio Hugo, como a melhor série de FC de todos os tempos, este é o livro inicial da Trilogia da Fundação.


Dados Técnicos: 2009*, 239 páginas, Editora Aleph, Isaac Asimov.
* Lançado originalmente em 1951.

Resenha: É uma grande responsabilidade resenhar um grande clássico como a Fundação, considerado hoje um dos grandes pilares da ficção científica e colocando o autor como um dos três grandes do estilo.
Claro que toda essa "carteirada" não garante que o leitor irá gostar do que está lendo, afinal isso é bastante pessoal e ninguém tem obrigação de gostar de algo só porque alguém (mesmo que muita gente) tenha dito que é um clássico.

Conquista rápido: Logo nas primeiras páginas somos apresentados ao grande império galáctico e ficamos sabendo que esse império está com os dias contados. Pelo menos assim acredita Hari Seldon, especialista em Psico-história.

Psico-História: Se você esperava uma obra sobre tecnologia e achava que o estilo necessita algum conhecimento científico para ser entendido, esqueça. Boas ficções científicas são justamente aquelas que utilizam o elemento humano como maior argumento.
A psico-história é uma ciência onde seria possível se prever o futuro analisando o comportamento das populações humanas, Um conceito interessantíssimo que irá determinar a sequência da história.

Um único grande personagem: Por se tratar de uma história que cobre períodos distintos do tempo, personagens vem e vão, assim podemos conhecer mais sobre a fundação em si, um grupo de cientistas isolados num planeta no final da galáxia para construir a enciclopédia galática.
Sendo assim, pode-se até considerar-se que o livro não é uma história apenas, mas vários contos referenciado esse ponto em comum que é a Fundação.

Uma aula de política e comportamento: A fundação é aquele tipo de livro que nos deixa mais e mais empolgados, nos fazendo ler mais depressa do que pretendíamos. Tem uma linguagem fácil e dinâmica e dá uma aula sobre relações humanas em geral.

Nota 5 com louvor: Não tem como dar uma nota mais baixa. É sim um grande clássico e entra na seleta lista dos livros que todo mundo deveria ler pelo menos uma vez na vida.

E você, caro desinformado. Já leu algum dos livros da Fundação? O que achou?
Deixe seu comentário abaixo, interaja conosco.

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Alguém viu um livro por aí é o novo parceiro do Desinformados

E 2017 será um grande ano para nós. Acabamos de firmar novas parcerias com alguns blogs literários e, em breve, teremos muitas novidades por aqui.

Para começar, quero apresentar o blog: Alguém viu um livro por aí? http://alguemviuumlivroporai.blogspot.com.br administrado com muito carinho pela Kerolayne Silveira.

E para celebrar essa parceria já tem até resenha no blog.

O primeiro dos meus livros a ter essa honra foi o Natureza Humana, aquele mistério que se passa na Amazônia e envolve fantasia e folclore brasileiro.

Curiosos para saber o que eles acharam?





Então confira: Resenha Natureza Humana.

E depois compre o livro: Natureza Humana na Amazon







E vocês,  já leram o livro? Já conhecem o blog? Deixem seus comentários abaixo.

Grande Abraço!

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Resenha - Os elefantes não esquecem - Agatha Christie

Olá leitores! como estão vocês?

Hoje é dia de resenha. E não é qualquer autorzinho não... É só a autora mais vendida de todos os tempos: Agatha Christie.

O livro é : Os elefantes não esquecem.

Bora conferir?

Capa: 

Sinopse: Perguntada a respeito da intrigante morte dos pais de sua afilhada, ocorrida há catorze anos, a escritora Ariadne Oliver não vê outra alternativa senão pedir ajuda a seu velho amigo, o detetive Hercule Poirot. 

Afinal, o que exatamente aconteceu no penhasco onde o casal foi encontrado? Será que um atirou no outro e, em seguida, tirou a própria vida? Ou teria sido um pacto suicida?

É chegado o momento de desenterrar velhas lembranças e tentar dar algum sentido a essa surpreendente história.

Dados Técnicos: 2014*, 168 páginas, Editora Nova Fronteira, Agatha Christie.
* Originalmente lançado em 1972

Resenha: Quando se pensa em Agatha Christie, logo se imagina um crime a ser solucionado. Um crime recente, ainda em tempo de prender os culpados.
Não é isso que encontramos em os elefantes não esquecem. O livro é sobre a resolução de um caso que ninguém conseguiu provar se era um crime, um acidente ou um suicídio.

Investigativo: Ao contrário do que se espera da autora, essa obra não é um Thriller. Isso não quer dizer que seja um livro ruim, longe disso, apenas que não há praticamente nenhuma ação na história. Assistimos a uma grande investigação conduzida por 
Hercule Poirot, mas, principalmente por outra personagem, uma escritora de romances policiais inglesa chamada Ariadne
.

Alter Ego?: É bem possível que a autora tenha brincado se colocando na história como a simpática Ariadne. Ela se mostra bastante esperta em filtrar as informações obtidas em entrevistas com as mais diversas pessoas envolvidas com as vítimas do suposto crime. No final quem acaba juntando as peças é mesmo o famoso detetive.

Dá para resolver: Com um pouco de perspicácia e a experiência de ter lido toda a obra sobre Sherlock Holmes, consegui desvendar o caso antes do final do livro. Ao contrário do que alguns dizem, de que a autora costuma ocultar fatos do leitor, tornando impossível a resolução dos casos em seus livros, não é o que acontece nessa obra. Todos os dados estão disponíveis para um leitor observador.

Bom, como sempre: A escrita fluida, as descrições ricas sem serem chatas e os diálogos consistentes fazem dessa uma obra gostosa de ler. Não é aquele livro que mudará a sua vida, mas dará boas horas de divertimento.

"- Estou me despedindo de você, pois vai partir numa viagem de descobertas - disse Poirot. - A la recherche des éléphants

Nota e conclusão: Um livro bem feito, sem falhas e bom de se ler. Não muda a vida de ninguém, mas merece uma chance. Nota 3.